Pesca Dor

            Os barcos chegavam no cais um por um. A tempestade estava forte e era preciso organização para todos voltarem para suas casas a salvo. Sorte que começou tarde. Alguns dos pescadores ja deviam estar com a família a uma hora daquelas. Os pescadores mais ambiciosos ainda estavam no mar. O dia fora um dos melhores para a pesca nos últimos meses. As correntes ajudavam. Embora conseguissem pescar bastante todos os dias, a última semana havia sido excepcional. Afinal, era lua cheia.
            Faltavam 3 barcos pesqueiros voltarem. Eles estavam próximos entre si porém ainda distantes do cais. Terminavam de recolher as redes cheias de sonhos, planos, riquezas  e esperança. A rotina era sempre a mesma: os pescadores saiam do cais de mãos abanando e voltavam com os barcos cheios. Mas dessa vez estavam cheios demais. Nunca haviam visto um mar daqueles, com tantas oportunidades. No último barco, um dos pescadores mais jovens enxergava seu futuro como capitão de uma grande embarcação. Começara cedo na pesca e ainda tinha muito tempo pra evoluir. Iria longe, com certeza. Era preciso determinação e sacrifício, mas daria conta de tudo isso e quem sabe não colocaria alguns encarregados pra cumprir com as funções chatas de que não gostava como a contabilidade da pesca e os reparos das redes. Ja havia feito muitos reparos, mas também ja havia deixado de fazer vários. Quando eram muito pequenos ou bastante escondidos nas redes ele deixava passar. Aquilo era muito chato, não desejaria aquilo para ninguém.

            Estava recolhendo a última rede e analisando o que havia nela. Ali haviam muitos sonhos e muita esperança. Era engraçado ficar vendo os sonhos que pescava. As vezes tinha vontade de passar a tarde assistindo a sonhos. Acabava tendo varias ideias e saia do mar inspirado. Mas também era muito triste quando vinham alguns pesadelos juntos. Eles costumavam aparecer menos. Naquele mar era difícil encontrar coisa ruim. Mas era bom quando via alguns pesadelos, assim valorizava mais os sonhos. Mas no fundo gostava de tudo que pescava. Tudo tinha algum lado bom. Já viu muitos futuros e só alguns passados. Também já havia pescado algumas ideias boas. Mas a regra era clara: nada do que pescas pode ser teu. Tudo tinha de ser vendido na cidade. Os pescadores não podiam ficar com nada. Existem histórias horríveis de pescadores que pescaram coisas tão lindas que não conseguiram suportar e pegaram para eles. Dizem que o pescador fica amaldiçoado para sempre pelos mares. Ele pode até tentar pescar de novo, mas com certeza uma hora o mar vai devolver ao pescador traidor a sua traição. E a pior coisa que um pescador pode pescar é uma traição.

            E entre tantas coisas mágicas que via, o jovem pescador avistou a cereja que havia em cima do bolo. A calda era grande, forte e brilhante. Suficientemente brilhante para que os outros dois barcos que estavam a frente parassem para ver. Seus cabelos eram como as ondas que  quebravam na beira da praia e tinham a cor de um céu no final da tarde. Seu canto era afinado como o canto dos passarinhos que viviam na floresta e sua pele era dourada pelos raios de Sol. Não sabia dizer por quanto tempo ficara olhando para ela. Aquela era a única e mais bela sereia que já havia aparecido por aqueles mares. A última vez que apareceu uma por ali devia fazer 500 ou 600 anos. Eram só histórias. Com certeza ele a queria. Queria poder ficar olhando para ela para sempre. Só isso: assistindo sua beleza, sua harmonia. Mas sabia que não podia ficar com anda que viesse do mar.
            E então a sereia que estava presa na rede começou a cantar olhando para o jovem pescador. A canção contava a história de um corajoso marujo que salvava sua amada de um ataque pirata e fugia com ela. A história estava consumindo sua mente do mesmo jeito que havia amarrado seu coração. E então quando se viu, o pescador estava no meio das redes, tentado chegar até a sereia. Iria salva-la e fugir. Não haveria erro. Se mudaria para um lugar distante e não pescaria nunca mais. Não precisava de mais nada além da bela sereia. E com uma faca ia cortando a rede e tentado chegar cada vez mais perto. Mas parecia que a rede estava se abrindo. Parecia que estava tudo cada vez mais distante. Então percebeu que ela estava se desfazendo. Que os sonhos estavam voltando para o mar e que os futuros e a esperança voltavam para as profundidades. Ainda conseguia ver a sereia e nadava cada vez mais depressa. Seu canto estava cada vez mais alto porém a sua amada estava cada vez mais longe. Não conseguia se controlar. Nadava ao mesmo tempo em que cortava a rede e não tinha consciência do que acontecia a sua volta. Estava desnorteado. A rede estava cada vez mais vazia. E mesmo assim não conseguia chegar a sereia. Seu canto estava ensurdecedor quando percebeu que não havia mais nada na rede. Em apuros olhou a sua volta e viu apenas pedaços de rede. Assim como aqueles que deveria ter reparado.

            Alguns metros de profundidade brilhava uma luz ofuscante. Não conseguia ver o que era, mas com certeza se tratava da sua sereia. Ela devia estar se afogando. Precisava chegar lá o mais rápido possível. Mas quanto mais se aproximava mais forte ficava a luz e pouco conseguia enxergar de onde vinha. E quando estava já bastante fundo olhou em volta e se viu rodeado pela luz. Não conseguia saber para que lado ir. Mas nadou para onde a luz parecia estar mais forte. E a luz foi mudando de cor e diminuindo sua intensidade. E quando pode ver, se tratava da sua Amada Sereia. Mas ela estava abraçada a um capitão que passou por um naufrágio a centenas de anos atrás. O beijo deles parecia tão intenso quanto a luz que enxergava e a dor para ele era tão forte quanto o amor que sentia. Se tratava de uma traição. Ele perdera tudo pela sua sereia. Agora, seus sonhos, seu futuro e sua esperança seriam pescados por um outro pescador, talvez mais jovem e talvez mais esperto.

            

Conta o que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s