Me encara

 

 

Me afogo em ti.

Nos teus cabelos me enforco.

 

Me mato nua enquanto gozo na tua boca loca.

Boca loca.

Boa boca.

Loca boca

que me pega pelos sonhos e me devora.

Toda.

Toda.

Toda

forma de amar,

de transar,

de chupar

tua alma tola.

 

Delírio.

Delira.

Delíria.

Deliro.

 

Qual teu sexo?

Qual o órgão que te representa?

Que pele amontoada é essa que me diz mais do que eu?

 

Me toca.

Me sente.

Sente o toque.

E não esquenta.

Sente o gosto de menta.

Teu gemido não mente.

Tua alma não engana.

Teu corpo é cigana.

Morada procura

na minha cabana.

Cabana bacana.

Banal bacanal.

Bacalhau.

 

Sinto cheiro do mal.

Mal sinto o amor carnal.

 

Só sinto

So zinho.

Benzinho

Peitinho.

Pintinho.

Co có ri có

Ro co có

Não importa tua arte.

Nem se moras em marte.

Me encontre pelada

pela calçada.

Molhada.

Endiabrada.

 

Em dia de missa.

Atrás da capela.

Dentro do santo de pau oco.

Dentro do oco pau do santo tosco.

 

Me encarna.

Me demoniza.

Me chama do que quiser.

 

Mas me encara.

Me encara.

 

 

foto: Victória Gianlorenço
áudio: André Dib

Conta o que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: